Segundo alerta dos cientistas à humanidade!

Quinze mil cientistas de 184 países formaram uma Aliança Mundial para apoiar este Segundo Aviso à Humanidade onde se destaca a opção pelo veganismo como forma de militância ambiental. 

 

Há vinte e cinco anos, a Union of Concerned Scientists e mais de 1700 cientistas independentes, incluindo a maioria dos laureados com o Nobel de Ciências, escreveu o “Aviso dos Cientistas do Mundo à Humanidade” em 1992. Esses profissionais pediram que a humanidade reduza a destruição ambiental e advertiu que “é necessária uma grande mudança na nossa administração da Terra e a vida nela, para evitar uma grande miséria humana”. No seu manifesto, eles mostraram que os humanos estão em um curso de colisão com o mundo da natureza. Eles expressaram preocupação com os danos atuais, iminentes ou potenciais no planeta Terra, envolvendo o esgotamento da camada de ozônio, a disponibilidade de água doce, o esgotamento da vida marinha, as zonas mortas do oceano, a perda da floresta, a destruição da biodiversidade, as mudanças climáticas e o crescimento contínuo da população humana. Eles proclamaram que mudanças fundamentais eram urgentemente necessárias para evitar as consequências que nosso curso atual traria.

terra-biomarket

Os autores da declaração de 1992 temiam que a humanidade estivessem explorando os ecossistemas terrestres além de suas capacidades para suportar a vida. Eles descreveram como atingimos rapidamente limites que a biosfera poderia tolerar sem danos substanciais e irreversíveis. Os cientistas imploraram que reduzamos as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e eliminemos os combustíveis fósseis, reduzamos o desmatamento para reverter a tendência de colapso da biodiversidade.

No vigésimo quinto aniversário de sua convocação, cientistas passaram a avaliar a resposta humana com dados disponíveis. Desde 1992, com a exceção da estabilização da camada de ozônio estratosférico, a humanidade não conseguiu fazer progressos suficientes na resolução geral desses desafios ambientais previstos e, de forma alarmante, a maioria deles ficou muito pior. Especialmente preocupante é a trajetória atual das mudanças climáticas potencialmente catastróficas devido ao aumento de gases de efeito estufa da queima de combustíveis fósseis, desmatamento e produção agrícola – particularmente dos ruminantes agrícolas para consumo de carne (Ripple et al. 2014). Além disso, desencadeamos eventos de extinção em massa, o sexto em cerca de 540 milhões de anos, em que muitas formas de vida atuais poderiam ser aniquiladas ou, pelo menos, comprometidas com a extinção até o final deste século.

terra-biomarketA humanidade está recebendo um segundo aviso. Estamos comprometendo nosso futuro ao não limitar nosso consumo, geograficamente e demograficamente desigual, e não percebendo o rápido crescimento da população como principal motor de muitas ameaças ecológicas e mesmo sociais. Ao não limitar os gases de efeito estufa, incentivar as energias renováveis, proteger o habitat, restaurar os ecossistemas, reduzir a poluição, interromper o desertificação e restringir as espécies exóticas invasoras, a humanidade não está agindo com a urgência necessária para salvaguardar sua biosfera em perigo.

À medida que a maioria dos líderes políticos respondem à pressão, cientistas, influenciadores da mídia e cidadãos leigos devem insistir em que seus governos tomem ação imediata como um imperativo moral para as gerações atuais e futuras da vida humana e das outras espécies. Com esforços organizados, uma oposição obstinada pode ser superada e os líderes políticos obrigados a fazer o que é certo. Também é hora de reexaminar e mudar nossos comportamentos individuais, incluindo a limitação de nossa própria reprodução (idealmente, ao nível de reposição) e diminuindo drasticamente nosso consumo per capita de combustíveis fósseis, carne e outros recursos.

O rápido declínio global das substâncias que destruíam a camada de ozônio mostra que podemos fazer mudanças positivas quando atuamos de forma decisiva. Nós também fizemos avanços na redução da pobreza extrema e da fome. Outro progresso notável (que ainda não aparece nos conjuntos de dados globais) inclui o rápido declínio nas taxas de fertilidade em muitas regiões, o declínio promissor da taxa de desmatamento em algumas regiões e o rápido crescimento do setor de energia renovável. Aprendemos muito desde 1992, mas o avanço das mudanças urgentes na política ambiental, no comportamento humano e nas desigualdades globais ainda está longe de ser suficiente.

As transições para a sustentabilidade ocorre de diversas maneiras, e todas dependem da pressão da sociedade civil com base nas evidências científicas, pressão nas lideranças políticas e uma sólida compreensão de instrumentos, mercados e outros meios de ação.

Exemplos de passos diversos e efetivos que a humanidade pode levar à transição para a sustentabilidade (Não está em ordem de importância):

  • Priorizar a promulgação de Reservas bem financiadas e bem gerenciadas conectadas para uma proporção significativa do meio terrestre mundial habitats marinhos, de água doce e aéreos;
  • Manter o ecossistema, interrompendo a conversão das florestas, pastagens e outros habitats nativos;
  • Restaurar ambiente de plantas nativas em grandes escalas, particularmente paisagens florestais;
  • Repopular fauna com espécies nativas, especialmente predadores de ápice, restaurar processos e dinâmicas ecológicas;
  • Desenvolver e adotar instrumentos de política adequados para impedir a exploração e comércio de espécies ameaçadas;
  • Reduzir o desperdício de alimentos através da educação e uma melhor infra-estrutura;
  • Promover mudanças na dieta para o foco na alimentos à base de plantas;
  • Reduzir as taxas de fertilidade, garantindo que as mulheres e os homens tenham acesso a educação e serviços voluntários de planejamento familiar, especialmente nos locais em que esses recursos ainda faltam;
  • Aumentar a educação da natureza ao ar livre para crianças, bem como o engajamento geral da sociedade na apreciação da natureza;
  • Investimentos e decisões de compras para incentivar mudanças ambientais positivas;
  • Elaboração e promoção de novas tecnologias ecológicas e adoção massiva de fontes de energia renováveis, eliminando os subsídios à produção de energia através de combustíveis fósseis;
  • Revisar nossa economia para reduzir a desigualdade de riqueza e garantir que os preços, a tributação e os sistemas de incentivo levem em conta os custos reais que os padrões de consumo impõem ao nosso meio ambiente; e
  • Estimar um tamanho de população humana cientificamente sustentável a longo prazo, ao mesmo tempo reunir nações e líderes para apoiar esse objetivo vital.

Para evitar a miséria generalizada e perda de biodiversidade catastrófica, a humanidade deve praticar uma alternativa mais sustentável para o meio ambiente, como de costume. Esta receita foi bem articulada pelos cientistas líderes mundiais há 25 anos, mas, na maioria dos aspectos, não atendemos seu aviso.
Em breve, será tarde demais para mudar o curso de nossa trajetória falha e o tempo está acabando. Devemos reconhecer, em nossa vida cotidiana e em nossas instituições governantes, que a Terra com toda a vida é nosso único lar.

Fonte: BioScience

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*