Castanha-do-pará sim, mas sem exagero

Consumo elevado diariamente pode levar a excesso de selênio

Muitas pessoas costumam levar castanhas-do-pará (ou “castanhas-do-brasil”) na bolsa ou deixar na gaveta do escritório, na mochila ou até dentro do carro: afinal, elas são práticas, energéticas e não precisam de refrigeração. Além disso são gostosas; servem bem como um lanche rápido entre as refeições principais. Mas será que consumir castanhas-do-pará todo dia é realmente saudável?

Isso nos leva porém a outra pergunta, anterior a essa: por que alguém comeria castanhas-do-pará todos os dias? A ideia passou a ser moda depois que foram divulgados os benefícios dessa oleaginosa. Um deles está no selênio, um mineral essencial para a vida.

Descoberto em 1817, esse elemento não metálico de símbolo “Se” na tabela periódica e de massa atômica 78 é largamente usado na indústria em operações como a produção de células fotoelétricas, na fabricação de vidros e aços inoxidáveis e, na forma de seleniato de sódio, até como inseticida. Também é usado em alguns exames médicos, para a visualização de tumores em diagnósticos por imagem. Obviamente o selênio de uso industrial não deve ser ingerido, pois seria evidentemente tóxico.

Por outro lado, ele é também um micronutriente essencial para a vida: encontrado em quantidades bem menores – mas adequadas – em alimentos como o pão, pescados, leite e carne de frango, tem grande poder antioxidante, diminuindo o efeito dos radicais livres (relacionados ao envelhecimento). Estimula também o sistema imunológico e o funcionamento da tireoide. Pode ajudar até na diminuição da ocorrência de alguns tipos de cânceres, como o de próstata, colo de útero e de pulmão, entre outros. Estuda-se até o possível benefício da substância no combate ou prevenção do mal de Alzheimer.

Com base em seus benefícios, muitas pessoas passaram a adotar a ingestão regular de castanha-do-pará. Essa castanha típica da América do Sul é rica nesse mineral: uma única castanha-do-pará contém a mesma quantidade de selênio encontrada em 3 filés de frango de 100g cada, ou de 100 copos de leite (200ml por copo), por exemplo. Além disso a “Brazilian nut” (como é conhecida no exterior) também é rica em proteínas e energia.

Mas o consumo deve ser pequeno. Considera-se que a ingestão diária de apenas uma castanha por dia já seja o suficiente para a obtenção dos benefícios do selênio. A ingestão de uma quantidade grande de castanhas-do-pará, feita continuamente, pode levar a uma concentração nociva de selênio no organismo. As consequências podem ser desde sintomas desagradáveis (dor de cabeça, enfraquecimento de unhas e cabelos, alitose) a problemas mais graves, como o desenvolvimento de diabetes e riscos cardiovasculares.

Isso não significa ser “proibido” comer várias castanhas-do-pará de uma só vez eventualmente – mas que o consumo intensivo, diário, de grandes quantidades pode levar ao acúmulo inadequado de selênio no organismo, o que pode ser portanto nocivo. Agora, uma castanha por dia pode até fazer muito bem – é só não exagerar. Mas, na dúvida, sempre consulte seu médico ou nutricionista.

Fonte: Clube Sangue Bom

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*