Porque repensar o consumo de alimentos sem glúten

Alimento sem glúten é a moda destes últimos dias. É a dieta das estrelas de Hollywood; gôndolas dos supermercados estão repletas de produtos sem glúten. Mas, olhando as opções, para algumas pessoas,evitar o glúten pode fazer mais mal do que bem.

O que é glúten?

O glúten é uma proteína elástica encontrada em grãos como trigo, cevada, aveia, e centeio. O gluten é formado durante moagem, ele é quem dá ao pão a maciez, e atua como um agente espessante em dezenas de produtos tão inconcebíveis como um molho de salada e o próprio molho de soja. Mesmo a cerveja contém uma quantidade razoável de glúten.

O glúten é uma adição relativamente nova na dieta humana. Emgrande parte da evolução de nossa espécie, os seres humanos subsistiam principalmente por proteína animal suplementada com frutas, legumes, nozes e sementes. Foi só no início do Neolítico, em torno de 9500 aCque a agricultura permitiu que começássemos a consumir carboidratos e glúten em forma de grãos. Em termos evolutivos, é como se tivéssemos começado ontem. Assim como os nossos dentes ainda são construídos para mastigar carne e plantas, em vez de farinha processada, o nosso sistema digestivo ainda não estátotalmente adaptado para lidar adequadamente com carboidratos complexos (o mesmo vale para lactose de leite bovino) e não tem a capacidade de quebrar até o fim as moléculas deglúten e seus aminoácidos.

Para a maioria das pessoas, isso não é grande coisa. Mesmo que o corpo não processe totalmente o glúten ou a lactose, nenhum mal vem dele e não sofremos desgaste. No entanto, uma em cada sete pessoas sofre de uma sensibilidade ao glúten, consumi-lo pode levar a problemas intestinais severos.

Mesmo que o desconforto seja pequeno, o que ocorre com alguém que sofre de doença celíaca é uma queimação. Para eles, qualquer quantidade desta proteína irá desencadear uma resposta auto-imune massiva no intestino quantoàgliadina, uma glicoproteína encontrada no glúten. Infelizmente, essa resposta também danifica as vilosidades do intestino delgado (vilosidades são as minúsculas estruturas que absorvem nutrientes de digestão dos alimentos) que, se não tratada, pode resultar em sintomas que vão desde diarréia, inchaço e dor abdominal a síndrome do intestino irritável (SII ), úlceras intestinais, câncer intestinal e uma série de deficiências nutricionais.

Uma vez considerada como uma doença digestiva rara que atinge talvez 1 em 10.000 pessoas em todo o mundo, a doença celíaca é agora considerada uma das doenças genéticas mais comuns no mundo ocidental pelo Centro de Pesquisa de Doença Celíaca da Universidade de Maryland. De acordo com um estudo de 2003 publicado na revista ArchivesofInternal Medicine, a doença celíaca afeta cerca de 1 em 133 pessoas nos Estados Unidos. Sendo uma doença hereditária, a doença celíaca é de família. Suas chances de ser diagnosticado com ela saltou de 1 em 133 para 1 em 39. Se um membro de sua família tem; primo, tia ou tio, as chances sobem para 1 em 22. Curiosamente, a doença celíaca é muito menos comum para os americanos descendentes de africanos, hispânicos e asiáticos; apenas 1 em 236. Além do mais, esta doença tem se mostrado uma tendência marcada a ocorrer em associação com a intolerância à lactose, bem como com diabetes tipo 1.

Onde existe uma doença, há uma oportunidade de mercado. Como a doença celíaca ganhou notoriedade, um número crescente de pessoas começou a auto diagnosticar-se comosensível ao glúten, e, conseqüentemente, adotaram estilos de vida sem glúten.

Também foi apontado como uma panacéia da nova era para uma série de doenças , incluindo enxaqueca e fibromialgia, embora haja poucos dados científicos para apoiar tais alegações. Alimentos sem glúten, a menos que recomendado por um médico, são uma escolha ruim de acordo com Carol M. Shilson , diretora executiva do Centro de Pesquisa Doenças de Celíacas.

Mark DeMeo, diretor de gastroenterologia e nutrição do Programa de Doenças Celíacas em Adultos no Rush University Medical Center em Chicago, disse à revista Women’s Health: “não há nada de mágico ou que vá ajudar você a perder peso na dieta livre de glúten.”

Na verdade, isso pode ter efeito oposto. Como Shelley Case, autor de”Dieta sem glúten: Um Guia de Recursos Abrangente” e um consultor membro do conselho médico para a Fundação da doença celíaca explicou à Women’s Health, sem glúten para dar liga, os fabricantes de alimentos muitas vezes usam gorduras e açúcares para fazê-lo.

Isso significa que, em uso continuo destes produtos “sem glúten”, pode potencialmente aumentar o risco de desenvolver uma deficiência de micronutrientes, especialmente se você confiar em alimentos industrializados que utilizamaçúcar e gordura para substtir estas farinhas. Nutricionalmente, verduras e cereais sem glúten (como quinoa) devem ser consumidas de qualquer maneira. Sem açúcar em seu lugar.

Enquanto não há nenhum meio confiável de testes para uma sensibilidade ao glúten, um simples exame de sangue pode determinar se alguém sofre de doença celíaca através da identificação de anticorpos anti-glúten específicos.

“Por se tratar de uma doença genética que pode ser transmitida ao longo da vida, é importante obter um diagnostico adequado.” disse Shilson. “E é necessário seguir uma dieta regular (com glúten) ou todos os testes de diagnósticos serão invalidados.” E mesmo se os resultados forem positivos, é necessária uma biopsia intestinal para confirmá-la. Portanto, antes de começar a estocar quinoacertifique-se de falar com seu médico.

E a menos que o seu corpo possua uma sensibilidade genuína, pense bem antes de baniro glútenpois, irá substituí-lo com o ingredientes que são ainda piores.

A loja Biomarket vende produtos em embalagem de 150g

Nozes chilenas inteiras Compre aqui
Noz Pecan Compre aqui
Semente de abóbora sem casca sem sal Compre aqui
Semente de girassol crua sem sal Compre aqui
Semente de linhaça dourada Compre aqui

Fonte: Gizmodo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*